O cinema Blaxploitation

Hello, black people, sejam bem vindos a mais um texto do Cabelo Afro. Hoje, falando sobre arte black, vamos falar sobre o cinema Blaxploitation.

O que é o cinema Blaxploitation?

O apartheid americano teve seu final oficial na metade da década de 1960, isso não significa que os negros após isso passaram a ter plenos direitos e conviver em pé de igualdade com a conservadora sociedade norte americana da época, tanto na parte social como na parte industrial (em todos os nichos), com o cinema não poderia ser diferente.

A partir disso, nos anos 1970, começou a surgir um movimento cinematográfico feito pelos negros, para negros. Um cinema que iniciou-se com filmes de crime e partiu para vários gêneros como terror, comédia e até musical, o Blaxploitation, uma junção das palavras black, preto, e exploitation, que significa algo a ser explorado.

O que define o cinema Blaxploitation imagéticamente?

O cinema blaxploitation é antes de tudo um cinema de resistência afro-americana, isso se observa claramente em filmes como Coffy, Foxy Brown e Shaft, quando se apresentam heróis negros e símbolos da luta negra na própria semiótica da coisa.

Um dos exemplos mais famosos dessa metaforização da luta negra está presente em Foxy Brown, que quando encurralada, retira do seu majestoso cabelo black uma arma para se salvar. Tudo está presente nos filmes Blaxploitation, as referências da escravidão, da sexualização do povo negro, a música característica, sendo regados na maioria das vezes à trilhas compostas com linhas pesadas de baixo, com bastante jazz, blues, soul e funk. É necessário dizer também que grande parte dos que compõem o Blaxploitation são negros, desde atores até a equipe técnica.

Filmes para conhecer o cinema Blaxploitation

Agora que já falamos do que se trata o cinema Blaxploitation, que tal conhecer alguns dos filmes mais populares do gênero que, adianto, não se limitou aos anos 1970 e podem ser achados inclusive no nosso tempo! Confira abaixo:

Shaft (1971)

É o filme que mais popularizou esse cinema. Dirigido por Gordon Parks, Shaft conta a história de um detetive negro que se envolve com a mafia italiana do Harlem, procurando a filha desaparecida de um mafioso negro.

Vale muito a pena.

Foxy Brown (1974)

Muito conhecido e influente, Foxy Brown conta a história de uma mulher negra que busca vingança pelo assassinato do namorado, que era um agente policial.

Foxy Brown serviu de inspiração direta para o filme Jackie Brown, escrito por Quentin Tarantino, que conta com a atuação da própria Foxy, Pam Grier, que ficou conhecida como a musa do Blaxploitation.

Coffy (1973)

Uma curiosidade sobre Coffy é que o filme foi filmado em apenas 18 dias (uma segunda curiosidade não tão importante assim é que é o filme Blaxploitation favorito do redator deste texto! hahaha).

Coffy, dirigido por Jack Hill, conta a história de uma enfermeira que sai em busca do traficante que viciou a sua irmã em heroína. Também estrelado pela musa Pam Grier, é um dos filmes mais influentes do Blaxploitation.

Blacula (1972)

Blacula é um representante do Blaxploitation voltado para o gênero de terror.

Nessa narrativa, o Conde Drácula morde um príncipe africano e o tranca em um caixão, séculos depois esse príncipe sai e aterroriza toda uma cidade.

Super Fly (1972)

Super Fly é um dos mais conhecidos filmes do cinema Blaxploitation.

Conta a história de um extravagante traficante que decide repensar a sua vida no mundo do crime, planejando uma última grande venda para mudar de vez a sua trajetória.

Infiltrado na Klan (2018)

Dirigido por Spike Lee e trazendo inúmeras referências do Blaxploitation, pode-se dizer que Infiltrado na Klan é um Blaxploitation do séc XXI.

O filme retrata um caso real de um policial negro que se infiltra na Klu Klux Klan a fim de implodir a sociedade supremacista branca. Vale muito a pena pelo contexto e direção, que deixa em evidência várias de suas referências.

Gostou de conhecer o cinema Blaxploitation?

Deixe seu comentário e não esqueça de ver mais textos sobre cultura afro aqui no Cabelo Afro. Separei um especialmente para você: Black Music: Soul.

Igor Gomes: Redator, social media, negro com índio. Contato (84) 9 9651-6451
Posts relacionados
Deixe seu comentário!

This website uses cookies.